terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Now it's time to sing along


E... O blog perdeu o sentido!!
Criei esse blog, para escrever o que eu sentia, mas o sentimento acabou, mas não quero que o blog acabe também!!
Eu me apeguei de mais a esse lugar, que tantas vezes foi minha valvula de escape. Quantas vezes eu sofria e vinha aqui escrever??
Sabe, o pequeno grande amor pode ter ido embora da minha vida, mas ficarei aqui, escreverei sobre o amor que nunca foi meu, escrever sobre muitas coisas e muitas vezes escreverei sobre nada, mas nunca, se depender de mim, sairei daqui.
Ainda não me decide se vou mudar o nome do Blog, mas por enquanto fica assim!!
Bj Bj Dii :)

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Eu ainda te amo


E aquele momento em que você pensa que pelo menos uma vez na vida as coisas vão ser diferentes...
Aquele momento em que você jura que ele mudou, jura de pés juntos que é você que ele diz amar.
Aquele momento em que ele te olha e sorri... Ele completa o meu mundo, e só o que eu queria era completar o dele.
Aquele momento em que você percebe que se iludiu... de novo. Droga!!
Eu ainda te amo.
Sinceramente, eu já não acho que algum dia, em algum lugar haja algo de bom, ou alguém, para mim.
Você sempre vai ser assim meu amor. Eu só precisava aceitar isso. Mas é que tá doendo muito.
Eu escrevo e seco as lágrimas que caem e borram a maquiagem em meu rosto.
Tá doendo agora, estava doendo ontem, e eu sei que vai estar doendo amanhã. Não tenho duvidas!!
Como sou idiota. Como meu Deus?? Como posso continuar aqui, escrevendo, para esse idiota??
Tenho vontade de lhe dizer tudo que sobe-me a garganta, mas adivinha... minha maldita falta de coragem de ser a babaca mais uma vez me empede.
Eu ainda te amo.
E eu queria falar o quanto já chorei por você. O quanto deixei de simplesmente viver por sua causa. Quantos foras dei com a esperença de ficar com você.
E aos poucos eu fiquei sozinha. Todos viam que eu só sabia te querer.
Não posso reclamar meu amor, eu fiz isso por que quiz. Porque sou idiota. É obvio!!
Quando escreve no seu Sub eu realmente vejo que em algum lugar dentro de você existe um coração.
Você escreve que ama alguém, e eu perco meu tempo em tentar descobrir quem, na esperença de que seja eu. Idiota, iludida, alucinada, estupida, tapada, retardada... Sou tudo e isso e muito mais.
Eu ainda te amo.
Eu queria conseguir parar de chorar, queria colocar um sorriso em meu rosto,e sair pela minha escola ficando com todos que dão em cima de mim, e nunca mais pensar em você.
Eu queria chamar uma amiga e ir para o shopping com um mini short e aproveitar cada menino, e pegar geral.
''Vamos ver quem pega menos agora??''
Eu ainda te amo.
Eu juro que se pudesse voltar no tempo, para a época em que só te achava bonito, sem sentimentos envolvidos, eu voltaria e faria de você apenas ''Um gatinho da igreja'', sem sentimentos envolvidos, Ok??
Mas, não sou tão burra assim, eu sei que se voltasse no tempo tudo aconteceria da mesma forma. E eu me machucaria tudo de novo.
Eu ainda te amo.
Dói, ver você brincando com outras.
Até tento rir disso tudo, mas as peças que o amor me prega não tem a menor graça.
Eu ainda te amo.
Queria tanto que isso bastasse... Queria tanto que isso acabasse... Queria tanto!!
Eu ainda te amo.
Eu ainda te am...
Eu ainda te a...
Eu ainda te...
Eu ainda t...
Eu ainda...
Eu aind...
Eu ain...
Eu ai...
Eu sou uma idiota mesmo.

                                                                    Me desculpe por ser assim!!
                                                                    Eu qeuria mudar tudo isso. Seja feliz!! By: Diessyca

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Síndrome de Peter Pan


Um dia a gente já brincou na lama, teve medo de monstro, acreditou no Papai Noel, no Coelhinho da Páscoa, na Fada do Dente. Fez perguntas indiscretas para os adultos, bagunçou o quarto, se divertiu assistindo desenho animado. Bebeu suco de maracujá, comeu biscoito recheado, bolo de cenoura, sorvete e chocolate até dizer chega. Fez castelo de areia na praia, acampou com os amigos, dormiu na casa dos avós. Fez festa de  aniversário de boneca, princesa, fada.
Levou bronca do pai, da mãe, do irmão mais velho, da professora. Ficou de castigo por semanas e semanas, e quase sempre foi perdoado antes do prazo. Gastou todo o dinheiro da mesada com chiclete, e levou mais uma bronca por isso. Caiu de bicicleta, patins, skate. Ralou o joelho, quebrou o braço, tem quatro pontos debaixo do queixo. Brincou de pique-esconde, pique-pega, pique-tudo-que-se-possa-imaginar. Imaginou um mundo onde todas as pessoas eram felizes e tinham o poder de voar. Vestiu uma capa feita de lençol e tentou voar. Inventou um amigo imaginário, mudou o nome dele.
Quis mudar nosso próprio nome. Jogou video-game até cansar. Fez aula de karatê, natação, balé. Calçou o sapato da mãe, andou pela casa toda borrada de batom, querendo ser adulto por um dia.Mal sabíamos o que era, na verdade, crescer. Ter responsabilidades, horários, prazos. Pensar na vida, resolver problemas. Problemas muito mais complicados do que a matemática, que parecia ser o pior dilema do mundo, na quinta série. Me faz lembrar da história de Peter Pan, o menino que vivia na Terra do Nunca, e nunca crescia. Quem fosse com ele, seria criança para sempre, imagine só? Uma vida inteira só de chiclete, brinquedos, sonhos. Uma vida em que o único problema fosse o da matemática. Seria pedir demais, não é? Sim. Só crescendo vivemos coisas diferentes, conhecemos pessoas, erramos – muito, aprendemos – muito, vivemos. É o cliclo da vida, não se pode querer mudá-lo. É o que precisamos. Mesmo assim, posso apostar que qualquer um de nós, desde os que acabaram de sair da infância até os que quase não se lembram dela, gostaríamos de pedir, pelo menos por um dia: Peter Pan, ainda dá tempo de ir com você?

Escrito por Maju, da equipe do Depois dos Quinze.

Amor


Um amor não nasce de um dia pra outro.
Um amor não acaba de um dia pra outro.
Você não esquece nada de um dia pro outro.
Você esquece muito pouco de um mês pra outro.
Talvez de um ano pra outro você esqueça um pequena quantidade de coisas.
Mas, você nunca supera um amor, por quando é amor você não esquece jamais. E se por acaso esquecer, então não era amor.